Saúde em 5 minutos

Olá, aqui encontrará vídeos até 5 minutos, artigos e entrevistas que pode ler em 5 minutos sobre saúde e outros produtos. Espero que estes 5 minutos lhe tragam mais e melhor Saúde!

Reforçar o Sistema Imunitário: Zinco

Entrevista à Dra. Inês Veiga sobre a importância dos imunoestimulantes para ajudar o sistema imunitário neste outono/inverno. O zinco tem uma vasta evidência científica sobre o seu efeito positivo no sistema imunitário. Sabe quais são os seus efeitos? E os benefícios? E o seu efeito sinérgico? Quem deve fazer suplementação? Quais as doses diárias recomendadas? Durante quanto tempo? Há riscos? Leia a entrevista e fique a saber a resposta a estas e outras questões. Boa leitura!

Entrevista à Dra. Inês Veiga, Farmacêutica, Diretora Técnica da Pharma Nord.

O zinco é um mineral essencial e o segundo oligoelemento mais prevalente no organismo humano.

Um mineral essencial é aquele sem o qual o organismo não consegue executar funções essenciais para o seu funcionamento.

O zinco está envolvido no metabolismo de proteínas e ácidos nucleicos, além de ser co-factor de 100 enzimas biológicas.

O zinco contribui para o funcionamento do sistema imunitário, cicatrização de feridas e defesa antioxidante.

O zinco tem benefícios no reforço do sistema imunitário, no controlo de alergias e na acne.

O zinco está presente na carne, peixe, marisco e frutos secos.

Para evitar a deficiência, as recomendações oficiais apontam para uma ingestão diária de 10 mg. Contudo, para optimizar o funcionamento das 100 enzimas dependentes de zinco deve ingerir-se 15 mg por dia.

A dose de prevenção é 15 mg. Como co-adjuvante do tratamento das constipações e outros infecções respiratórias poderá duplicar-se ou até triplicar-se a dose (30 a 45 mg), durante um período de 2 a 4 semanas.

Para assegurar os benefícios nível da saúde, a ingestão de zinco deve ser diária, ao longo de todo o ano.

De acordo com uma revisão publicada em 2018, o zinco parece ser uma intervenção eficaz e segura na acne. Veja aqui.

Em doses superiores a 50 mg podem ocorrer náuseas, vómitos, perda de apetite, cólicas abdominais, diarreia e dores de cabeça. O excesso de zinco pode inclusivamente comprometer a absorção de cobre.

A deficiência em zinco pode atrasar o crescimento, causar perda de apetite, comprometer a função neurológica, do sistema imunitário e a capacidade de cicatrização da pele. Outros sinais de deficiência de zinco podem ser: acne e maior predisposição para reacções alérgicas.

O selénio e o zinco têm efeitos sinérgicos a nível da defesa antioxidante e no sistema imunitário.

O selénio e o zinco têm efeitos sinérgicos a nível da defesa antioxidante e no sistema imunitário.

Devido a estes efeitos sinérgicos, o ideal é tomar suplementos que associem o selénio e o zinco. Em pessoas cujos níveis de selénio ou zinco são muito elevados, recomenda-se a monoterapia.